Quem é Giovane Carpes

        Olá, tudo bem?

        Espero que sim.

 

       Me chamo Giovane Antonio Gasparetto Carpes, nascido em janeiro de 1992 na cidade de Farroupilha-RS, e sempre tive grande aptidão para fazer dívidas através de empréstimos, cartões de crédito, limite bancário, entre outros.

     Sempre fui uma pessoa trabalhadora, porém já aos seu 16 anos comecei a entrar no mundo das dívidas. Foi neste período que financiei por inteiro a compra de uma moto, pois agora estava trabalhando de carteira assinada.

 

       Porém com esta aquisição além de perder R$5.000,00 ao longo do financiamento comprometi em uma única conta 50% do ganhava e somando mais algumas contas se foram 80% dos seus ganhos, sobrava apenas 20% para fazer outras atividades, porém com tão pouco dinheiro no bolso, conheci algo chamado cartão de crédito, que era incrível, pois jogava todas as compras de um mês para outro.

 

Foi então que comecei a cavar meu próprio buraco, pois assim como o cartão deixava sobrar algum dinheiro em um mês, começou a faltar no outro. Para pagar tudo que havia comprado no cartão faltava dinheiro, mas foi então que chegou outra facilidade, pois o banco oferecia empréstimo, que poderia ser usados para pagar as contas e ainda sobraria.

 

Neste momento, a sua vida financeira não comportava o nível em que eu queria demostrar  para outras pessoas.

 

Neste momento da vida, EU devia uma moto financia em 4 anos, cartão de crédito e um empréstimo de R$ 3.000,00, isso totalizava cerca de 170% do que tinha de receita, porém quando atingi os 18 anos, cheguei ao nível mais fundo, pois havia a carteira de motorista e o carro, que é sonho de todo o jovem desta idade, mas sem dinheiro, como poderia fazer isso?

Pois bem aos 18 anos fui ao banco, renegociei o empréstimo e peguei mais um pouco, que neste caso seriam mais R$ 3.000,00, porém como em qualquer renegociação eu já não devia apenas R$ 6.000,00, devia líquido R$ 9.000,00, pois R$ 3.000,00 do primeiro empréstimo foram quitados pelo banco que cobrou a dívida novamente e somou mais o dinheiro que foi pego emprestado, e tudo isso para apenas pagar a carteira de motorista e metade de um chevette 84, o  restante meu pai me deu.

 

Agora vejamos, com apenas 18 anos de idade estava devendo R$ 9.000,00 líquido de empréstimos, R$ 7.000,00 líquidos da moto,  ± R$ 7.000,00 de Juros para o Banco e ± R$ 5.000,00 de juros para a financeira, somando tudo o valor atingia R$ 28.000,00 e uma idade de 18 anos.

No ano de 2011 em meus 19 anos conheci a pessoa que me fez olhar tudo o que estava jogando fora, para parecer ser alguém que não condizia com a situação.

 

Foi neste ano que conheci minha mulher Leila, que ficou perplexa ao ver o buraco em que me enfiei, porém ao contrário de muitas outras mulheres, ela não me deixou, ela me ajudou, ensinou a controlar o dinheiro e foi o apoio durante os 2 anos seguintes.

 

Durante este período, Leila quebrou meu cartão de crédito, pediu para que entrasse em contato com o banco para reduzir para o mínimo possível o seu limite bancário entre outras atitudes como me auxiliar no combustível do carro e muitas vezes colocar algum dinheiro em minha carteira.

 

Neste momento, como precisava de dinheiro, aceitava qualquer hora extra possível na empresa, nem que fosse em outras funções, porque precisava de dinheiro para poder sair do fundo do posso.

Não era gasto nenhum centavo para diversão, pois tudo estava servindo para pagar as dívidas.

 

Quando saiamos para alguma festa, ou comer algo em algum lugar diferente, era Leila que pagava a gasolina para deslocamento e o valor gasto no estabelecimento.

Vendo isso acontecer, me sentia um lixo, mas a determinação em sair logo das dívidas para que pelo menos pudesse presentear minha excelentíssima, ficou cada vez mais forte, e em 2 anos conseguiu quitar todas as dívidas e empréstimos feitos e estabilizar-se financeiramente aos 21 para 22 anos de idade.

Depois de passar maus bocados resolvi estudar sobre finanças pessoais, investimento, bolsa de valores e tudo que relaciona-se a dinheiro, tudo para obter mais renda do que apenas o salário mensal.

Aos poucos e com alguns tropeços, aprendi a controlar o dinheiro em mãos para adquirir tanto bens ativos quanto bens passivos.

 

Agora com todo o conhecimento que tenho, decidi ajudar pessoas que estão passando pelo mesmo problema financeiro que tive e também auxiliar para que outras não se endividem da mesma forma.

livro Como organizar sua vida financeira
livro Do mil ao milhão
livro me poupe